Crítica: Lovelace (Lovelace, 2013)

Crítica: Lovelace (Lovelace, 2013)

Lovelace[1]O que presenciei hoje no cinema foi sem dúvida alguma uma grande e agradável surpresa.
Quando soube que iria assistir à cinebiografia de Linda Lovelace, que ficou conhecida por ser a primeira grande pornstar logo após estourar com o filme Garganta Profunda (Deep Throat, 1972) imaginei que iria presenciar um filme que não passava de um enorme pretexto para se exibir peitos e bundas à exaustão e consequentemente não veria o lado pessoal e psicológico da atriz.
Não é muito difícil uma cinebiografia se concentrar apenas na parte “farofa” da vida de seu protagonista podendo até mesmo haver certos exageros na tentativa de agradar o grande público, o que quase sempre gera uma legião de fãs insatisfeitos por não poderem presenciar nos cinemas um filme digno da vida de seu ídolo.
Como eu disse no começo, Lovelace (Lovelace, 2013) é uma grande e agradável surpresa, porque ele é extremamente bem-sucedido ao se aprofundar em detalhes da vida pessoal de Linda que a cada instante conquista ainda mais os espectadores com os rumos que sua própria vida foi tomando.
Não existe sinopse de cinebiografia, mas vale dizer que o filme foca-se na fase da vida de Linda até o momento em que protagonizou um dos filmes pornôs mais assistidos de todos os tempos e em como permanecer 17 dias na indústria pornô afetou sua vida nos anos seguintes.
A direção é dividida entre Rob Epstein e Jeffrey Friedman, que já haviam trabalhado juntos da mesma forma em Uivo (Howl, 2010) e que aqui mostraram que seu trabalho em equipe está em um nível de entrosamento raro para uma dupla que está ainda apenas em seu segundo longa-metragem, e qual não foi a minha felicidade ao descobrir que o responsável pelo roteiro é o senhor Andy Bellin, que foi o responsável pelo roteiro de Confiar (Trust, 2010), que é por si só uma obra-prima. Um conselho: fiquem de olho nos próximos trabalhos de Bellin porque assim como seus companheiros da direção, ele provou em apenas dois trabalhos como roteirista que é um dos maiores especialistas quando o objetivo é emocionar, surpreender e falar sobre temas que as pessoas normalmente costumam evitar. Mais uma vez, Andy Bellin pra mim é a grande estrela da rodada, sem sombra de dúvida!
Falando em estrelas nada mais justo do que falar sobre o trabalho primoroso que nos foi entregue pelos atores. Amanda Seyfried foi escolhida para interpretar a protagonista. Já havíamos conferido seu talento no musical Os Miseráveis (Les Misérables, 2012) e aqui ela consegue nos entregar uma Linda Lovelace que transita entre uma garota ingênua, curiosa e triste ao mesmo tempo. James Franco aparece pouco mas interpreta muito bem o grande milionário tarado por traz da Playboy, Hugh Hefner. Seu último trabalho de grande destaque foi o ótimo 127 Horas (127 Hours, 2010), pelo qual chegou a conquistar uma indicação ao Oscar de melhor ator.
Peter Sarsgaard foi o escolhido para interpretar Chuck, o primeiro marido de Linda. Um dos pontos altos do filme é a forma como o ator nos convence a amar e a odiar seu personagem em um curto espaço de tempo.
O filme não se preocupa em falar muito sobre a vida de Linda após o lançamento de seu livro “Ordeal”  que conta sua própria história.
Gostei muito do filme por trazer a tona corajosamente todo o lado problemático da vida de Linda e ainda nos fazer pensar e questionar vários temas que são constantemente deixados de lado pela maioria, dos quais a pornografia é apenas um deles e prefiro não mencionar os demais aqui pois são uma parte importante e reveladora do filme. Altamente indicado para quem gosta de sair do senso comum e de analisar a história por todos os ângulos possíveis e ainda há espaço para questionar o lado religioso e/ou radical dentro de cada um de nós que fica bem evidente aqui através da relação de Linda com seus pais, em especial com sua mãe.
Lovelace vai te cativar, emocionar e surpreender. Com certeza uma boa escolha de programa para quem busca um fim de semana com mais reflexão e com menos explosões.
Lovelace está previsto para estrear no dia 13 de Setembro de 2013, confira a agenda em sua cidade!

NOTA:

Vale o Ingresso, a Pipoca e Ainda Pago Pros Outros
Vale o Ingresso e a Pipoca
Vale o Ingresso
Vale o Ingresso no Dia da Promoção
Teria Sido Melhor Ir Ver o Filme do Pelé

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*